Da superfície

Leve era o teu perfume,
Sorriso doce, que aprecio,
Suave era tua voz.
Em nós.

Não me atrevi.
Apesar de não ter os tocado,
Li a pureza em teus lábios
canto a canto,
lado a lado.

Não conheço por dentro,
Mas passeei por teus olhos,
Encontrei meu brilho, antes perdido,
Estarrecido.

O simples me satisfaz, e sou assim.
Ainda que confunda-me,
Ainda que eu seja só o que sou,
Prefiro ser, em si, o ser, em mim.

Fez-me voltar à superfície
E, antes que eu agradeça,
Antes que eu me esqueça,
Que nela eu permaneça.

Alan Pimentel

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s